quarta-feira, 26 de março de 2014

E se um olhar lhe bastasse?

Hoje a minha mana e o meu cunhado celebraram as suas bodas de Marfim.
14 anos cheios de amor, carinho, cumplicidade e muitos outros adjectivos amorosos.
Adoro-os aos dois e o meu miminho para eles foi uma das coisas que mais gosto de fazer um docinho cheio de ternura.
E como se não basta-se um docinho ofereço também um poema para completar o miminho.


O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar pra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente…
Cala: parece esquecer…

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar…

Presságio de Fernando Pessoa.



Semifrio de Pêssego 
Base:
1 pacote de bolachas Maria
60 g de manteiga
Recheio:
4 folhas de gelatina incolor
1 saqueta de gelatina de pêssego
1 dl de água
1 lata de leite condensado 
1 pacote de natas
Cobertura:
2 folhas de gelatina
1 lata de pêssego em calda



Preparação:
Junta-se as bolachas moídas e a manteiga amassa-se bem ,deita-se a massa numa forma de aro e com as mãos espalha-se para forrar bem o fundo.
Coloca-se no frio. 
Demolham-se as folhas de gelatina em agua fria.
Ferve-se a agua. Coloca-se o conteúdo da carteira de gelatina numa tigela e junta-se a agua a ferver,mexendo bem para que a gelatina se dissolva.
Juntam-se as folhas de gelatina espremidas e mexe-se bem.
Junta-se o leite condensado e mexe-se
Batem-se as natas bem firmes e juntam-se ao preparado anterior envolvendo bem para que fique bem ligado.
Deita-se este preparado sobre a base de bolacha e vai ao frio umas horas.
Faz-se a cobertura:
Colocam-se as folhas de gelatina de molho em agua fria.
Trituram-se 4 metades de pêssego  no liquidificador.
Espremem-se as folhas de gelatina e derretem-se em banho-maria, em seguida juntam-se ao pêssego  triturado e mexe-se para misturar bem.
Deita-se este preparado sobre a tarte já sólida e deixa-se dum dia para o outro no frio.
Antes de servir decore com o restante pêssego a gosto.